AO VIVO

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Sunderland vence nos pênaltis, elimina United e vai pra final da Copa da Liga



Quando a fase não é boa... É a situação do United nessa temporada 2013/14. Já fizemos vários textos pra descrevendo o momento dos Red Devils. O atual campeão vive uma péssima fase. A começar pelos principais jogadores, Rooney e Robin van Persie passaram boa parte da temporada no DM. Isso complicou demais a tentativa dos Red Devils defender seu título na Premier League.

Quem sabe nas copas, a chance de conquistar um título neste ano de transição? Na FA Cup, foi eliminado pelo Swansea, na quarta rodada. Na Copa da Liga chegou até a semi-final, hoje quando foi eliminado até de forma cruel pelo Sunderland.

Era preciso reverter uma vantagem de 2-1, conquistada pelos Black Cats no Estádio da Luz. Até por isso, David Moyes foi com uma escalação bem ofensiva. Com Chicharito e Welbeck no ataque com Januzaj e Kagawa na meia cancha.

Como ainda falta um padrão de jogo para o United de Moyes, a gente percebia uma certa desorganização e também uma afobação na tentativa de rapidamente abrir o placar. O gol saiu até cedo. Após escanteio de Januzaj, desvio de Welbeck e gol de Evans, 1-0. A torcida se animou empurrou o time, mas ficou só nisso.

O Sunderland veio na sua estratégia de apenas especular, apenas tentar uma bola e se segurar lá atrás para não ser goleado. Deu muito certo a estratégia de Gus Poyet. O resultado levava a partida para o over time.

No segundo tempo, o Sunderland voltou melhor para a segunda etapa. Encurralando o United no seu campo de defesa, os Black Cats mostraram que não estavam ali apenas para assistir o United e sim jogar também. Nenhuma grande chance de gol foi criada.

Tudo seria decidido no over time. O United teve uma grande chance no primeiro tempo da prorrogação, mas Chicharito errou o gol, após passe maravilhoso de Januzaj. O Sunderland não assustou no primeiro tempo da prorrogação. Mas na segunda etapa, os Black Cats também saíram para o ataque. O sul-coreano Ki era um dos destaques do time de Poyet, ao lado de Adam Johnson.

No final do segundo tempo do over time tivemos momentos espetaculares. Pressão do Sunderland em um escanteio, que a defesa do United não afastou e Barsdley chutou pro gol e o goleiro David De Gea tomou um frangaço.. Com esse empate, o Sunderland se classificava. Mas, na saída de bola, o United voltou a comandar o placar. Em mais uma jogada de Januzaj, que foi na linha de fundo e cruzou para o Rei da Pequena Área em Old Trafford, Chicharito Hernandez fazer o gol que dava a sobrevida ao United.

Nas cobranças de pênaltis, foi um show de horrores. O United errou 4 penalidades. Isso mesmo, apenas Fletcher acertou sua cobrança. O Sunderland foi um pouco menos ruim e conseguiu marcar 3 gols e garantir sua ida a final da Copa da Liga, após 22 anos.

Ouça os gols da partida com Rodrigo de Oliveira e Ângelo Vieira


Manchester United

  • 01 de Gea
  • 02 Rafael
  • 28 Büttner (Evra - 85' )
  • 16 Carrick (Jones - 95' Booked )
  • 12 Smalling
  • 06 Evans
  • 44 Januzaj Booked
  • 24 Fletcher
  • 14 Hernández
  • 19 Welbeck
  • 26 Kagawa (Antonio Valencia - 61' )

Suplentes

  • 03 Evra
  • 04 Jones
  • 11 Giggs
  • 13 Lindegaard
  • 18 Young
  • 23 Cleverley
  • 25 Antonio Valencia

Sunderland

  • 25 Mannone
  • 02 Bardsley
  • 28 Alonso Booked
  • 33 Cattermole (Gardner - 82' Booked )
  • 16 O'Shea Booked
  • 05 Brown
  • 11 Johnson
  • 04 Ki
  • 09 Fletcher
  • 14 Colback
  • 31 Borini Booked (Altidore - 86' )

Suplentes

  • 07 Larsson
  • 08 Gardner
  • 12 Celustka
  • 17 Altidore
  • 23 Giaccherini
  • 27 Vergini
  • 32 Ustari
Árbitro: Lee Mason

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

FUTEBOL REFLEXIVO: Por um Futuro Mais Digno



Definitivamente essa temporada vai entrar pra história do United por dois aspectos; o primeiro é sem dúvida, que não temos mais a lenda escocesa, Ferguson, no banco depois de 27 anos, e a segunda é a não disputa de título por parte dos Red Devils em muitos anos. Nem sequer está entre os 4 melhores da Premier League. Hoje, o United é o 7° lugar. Desde de 1992, quando foi criada a Premier League, as piores colocações do Manchester foram nas temporadas, 2001, 2002 e 2004, um 3º lugar, o que significa, que David Moyes pode conduzir o United a uma campanha histórica no sentido negativo, não chegar entre os 4 e ficar fora da UCL.


Moyes, na minha opinião, não sabia o que é o tamanho do Manchester United e a cobrança que está por trás desse gigante europeu, descontando o fato de ser sua primeira temporada, ele não consegue dar uma identidade ao time. Acho ainda que ele começou fazendo errado, em apostar num elenco cansado e de idade elevada, fazendo o grande investimento em um jogador (na minha opinião) bem questionável em relação a valor, 27 milhões de libras (em torno de 100 milhões de reais). Investimento alto em apenas um jogador, com carências evidentes no elenco.



A campanha é bizarra, são 6 derrotas, 4 delas em casa e 2 fora, ou seja, em casa não é mais a fortaleza. 10 gols sofridos em casa. Conseguiu uma sequencia boa de vitórias, mas a duas últimas, especificamente diante do Hull e Norwich, muito mais na força da camisa do que futebol, a derrota diante do Tottenham expôs ainda mais a fragilidade defensiva e a falta de criatividade do meio campo.


Agora em janeiro, a janela de transferências estará aberta para corrigir alguns problemas. Se o United quiser disputar a próxima UCL, precisa reforçar o elenco urgentemente. José Mourinho lá de Londres já deu indícios que não contará com Juan Mata, há um choque entre o ótimo meia espanhol e o técnico português. Mata cairia como uma luva no United, será que o professor Moyes está ligado nesse embrolho, ou ele prefere trazer alguém da trupe do Everton. Se for pensar na forma de jogar do United, um 4-2-3-1, Mata e Rooney poderiam fazer essa função na linha de 3 com o aproveitamento de Januzaj, que pode ser uma boa alternativa por ser jovem e Van Persie, saudável, no comando do ataque.


Jogadores como Valencia, Kagawa, Nani e Ashley Young seriam ótimas moedas de troca. Para finalizar, o United precisa de um zagueiro, um meia, um lateral direito e um volante. 


Meu time ideal seria: De Gea; Van Der Wiel, Vidic e Hummels; Baines; Carrick e Verratti; Mata, Rooney e Januzaj e Van Persie.



Texto de Emanuel Mourão

FUTEBOL REFLEXIVO: Um Milan menos Alegre

Essa provável não ida do Milan a próxima UCL, vai ser boa pro clube, por incrível que pareça; Essa vaga sempre encobre o fracasso que é o clube institucionalmente. Há um caos na politica rossonera. Perderia a receita da UCL, mas daria chance de reformular seu departamento técnico e elenco de jogadores. Vendo a escalação, o time é muito pobre tecnicamente. Só tem o Ballotelli de craque, o resto é aposta em um Kaká, que não será mais o mesmo de 2007. Allegri, que chegou ao clube em junho de 2010, responde um pouco sobre esse caos técnico que o clube passa, mas será que só ele é culpado? Quando ele teve um bom time na mão, levou o clube ao scudetto que não vinha a algum tempo. O certo que o elenco atual, nem Pep ou Mourinho fariam algo diferente.

Até em questão de patrocínio, fica difícil adquirir boas cotas de patrocínio, com um time tão frágil. Por se tratar do 2º maior campeão italiano e 2º maior campeão europeu, essa situação ganha uma proporção ainda maior. Em 2009, foi assim, o clube não foi a UCL e conseguiu o scudetto, após uma reformulação. Há um notório choque de poder no comando do clube. A Bárbara Berlusconi, filha do dono do clube, quer assumir o comando geral e o Galliani, gerente de futebol, se sente desprestigiado. A tália em crise econômica e o Berlusconi cheio de inquéritos e de certo modo menos influente dentro do país do qual ele foi primeiro ministro, são uma combinação explosiva que mostra a fraqueza do Milan nos últimos 3 anos. Hoje o Milan é o 11º colocado, 22 pts. Está a 20 pts da zona de UCL e a 6 da zona de rebaixamento, ou seja, não irá a lugar nenhum. Tem aproveitamento menor que de Torino, Parma, Verona e Genoa, clubes com investimentos muito inferior ao dos rossoneros e fazem campanha mais interessante. 



E depois de uma derrota vexatória para o caçula da Serie A, Sassuolo por 4 x 3, o limite de tolerância com o técnico atual foi pro espaço, já na noite de ontem havia rumores da demissão do Allegri. Bárbara respondeu ontem a noite sobre o jogo: " A mudança é necessária e urgente, Isto é inaceitável". O certo que já havia uma confiança quebrada entre o comandante e seus comandados. Reforços, de certo modo interessante de Honda e Remi, poderiam dar uma sustentabilidade ao técnico. O certo que Tassoti será o interino, e na minha opinião, ficará até o fim da temporada. Vai recomeçar tudo na temporada que vem, lembrando que o Milan está nas 8º da UCL num confronto duríssimo diante do Atlético de Madrid, líder do campeonato espanhol.

Números de Allegri no comando rossonero:

178 Jogos - 91 vitórias - 49 empates - 39 derrotas - aproveitamento de 52%.


Seedorf vem ai?!

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Sem dificuldades, Real Madrid avança na Copa do Rey

O primeiro jogo após a eleição de Melhor do Mundo, não podia faltar gol dele. E foi o gol de Cristiano Ronaldo que sacramentou a classificação de Los Blancos a próxima fase da Copa do Rey.

O jogo foi fraco tecnicamente. Real Madrid com a perna pesada, após sofrer pra vencer o Espanyol no domingo e claro com a vantagem do jogo de ida, tentou nos primeiros minutos cozinhar o jogo e esperar o final da peleja, ou melhor, apenas protocolar sua passagem de fase.

Cristiano Ronaldo queria mostrar para todos porque, merecidamente, foi eleito o Melhor do Mundo. Tentou nos primeiros minutos partir pra cima. Na primeira jogada, se atrapalhou com a bola e errou o lance. Na sua segunda tentativa, foi numa segunda arrancada, mas quando viu que não chegaria na bola, tentou simular uma falta, mas não obteve sucesso.

Na terceira tentativa, saiu o gol. Aos 22' minutos numa cobrança de falta, o Melhor do Mundo, chamou a responsabilidade e foi bater. Fez toda aquele seu protocolo de cobrança e mandou ver. Um chute forte, com curva em cima do goleiro Andrés. O goleirão do Osasuna, viu que a bola não era pra segurar, fechou as mãos e foi socar a bola. Só que deu errado. O guarda-redes não conseguiu socar a bola em cheio, então a bola bateu no chão e passou por entre as pernas de Andrés, um tipico frangaço do goleiro, 0-1.

Com esse 0-1 Real, a vantagem passou para 3-0 no agregado. Então era praticamente impossivel a remontada do time de Pamplona. O Real tocou a bola e esperou o tempo passar. O Osasuna, nos minutos finais da primeira etapa resolveu chegar. Foram três finalizações em sequência. Cejudo, na entrada da área, acertou a trave. Puñal exigiu grande defesa de Casillas e Torres, chutou fraco e Iker pegou sem dificuldades.

No segundo tempo, as equipes voltaram com as mesmas formações. E logo a 9 minutos, o Real sacramentou a vitória dos merengues. Roubada de bola de Alonso, condução de Jese até a linha de fundo. O jovem cruzou para Dí Maria que chapou bonito de esquerda, fazendo 0-2.

A partir daí, o jogo ficou fraco. O Real Madrid se poupando e o Osasuna sem nenhuma força. Bale entrou no lugar de CR7 mas também pouco participou. O lance mais importante do segundo tempo, foi a expulsão de Coentrão, após uma chegada mais forte. Morata, que entrou no lugar de Jese, com poucos minutos de jogo, levou uma cotovelada no rosto e teve que abandonar o jogo.

Ouça os gols dessa partida com Rodrigo de Oliveira e Ângelo Vieira


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

A escolha de Seedorf


No inicio da tarde desta terça-feira (14-01), o holandês Clarence Seedorf anunciou o final de sua carreira de jogador e o inicio de sua nova empreitada como treinador.

Seedorf já tinha declarado em várias entrevistas, que após o final de sua carreira vitóriosa como jogador profissional, migraria automaticamente para o reservado, para ser técnico de futebol. Silvio Berlusconi, dono do Milan e ex-primeiro Ministro italiano, já havia manifestado o interesse em contar com Seedorf no banco de reservas do Rossonero. Ao final de 2013, tanto o Milan, quanto o técnico Massimiliano Allegri já tinham dito que um não continuaria com o outro, que o casamento estava acabando. 


A péssima campanha no Campeonato Italiano, os problemas com alguns jogadores e principalmente, a antipatia com Berlusconi, não o Sílvio, mas a Bárbara apressaram a saída de Allegri e também o planejamento de Seedorf, que era de disputar a Libertadores com o Botafogo e depois se apresentar ao Milan para assumir como técnico. 


Mas, um modesto time e um jovem jogador foram os responsáveis pela aposentadoria de Seedorf e a demissão de Allegri. Era um domingo qualquer, um jogo a noite, no horário nobre da Itália. O Milan, viajou para encarar o recém promovido Sassuolo. O time, que disputa pela primeira vez a Série A TIM, costuma passar por Série B e a Série C1, a terceira divisão da Itália.

Chegou a primeira divisão sem nenhuma perspectiva de permanecer nela, tanto que está dentro da zona de rebaixamento. Mas esse domingo foi especial para a torcida do Sassuolo. Enfrentar o grande Milan, não é para qualquer um. 

O Milan abriu 2-0 naturalmente, com Robinho e Balotelli. Parecia que o rossonero passaria o carro, mas um moleque de 19 anos resolveu mostrar para o Mundo, que o Sassuolo está afim de permanecer na Série A. O nome dele? Domenico Berardi, atacante 19 anos, que já foi negociado com a Juventus. 

Foram 4 gols desse moleque atrevido, numa virada espetacular do pequeno Sassuolo. O resultado foi marcante, tanto que Bárbara Berlusconi, a filha do dono e manda-chuva do Milan, já soltou uma nota após a partida de que era inaceitável o resultado do domingo. 

Inaceitável talvez seja, Bonera, Zapata e Mexès vestirem a camisa do Milan, né? Mas enfim, o resultado caiu como uma bomba em Milanelo e as mudanças que seriam feitas ao final da temporada, foram antecipadas para esse ínicio de 2014. 

Seedorf chegaria para ser técnico com uma equipe de ex-jogadores do próprio Milan, como Pippo Inzaghi, Japp Stam e Hernán Crespo, se somariam a Clarence para formar a comissão técnica.

O ex-jogador do Botafogo chega inicialmente para apagar o incendio da décima primeira posição Campeonato Italiano. Mas, como o Milan não tem dinheiro, o primeiro grande desafio de Seedorf é montar um time com Zapata, Bonera, Mexès, Emmanuelson e De Jong. 

Boa sorte ao Seedorf nesse grande desafio.

FUTEBOL REFLEXIVO: Onde fica a gratidão?


Quem era o Lewandowski antes do Borussia Dortmund? Um jovem jogador da segunda divisão polonesa que despontava como matador, jovem revelação da temporada 2006? Será que se ele tivesse aceitado a proposta do Blackburn (atualmente jogando a 2º divisão inglesa) ou do Genoa (briga pra não cair na Itália, nada além disso) ele seria um pseudo astro do futebol mundial? Qual é o sentido de gratidão?

Parece que gratidão não é algo que o polonês conheça. No episódio da transferência para o mais do que nunca poderoso Bayern ficou o sentimento de traição e ingratidão, na mesma medida em que seu ex-companheiro de Dortmund, Götze, saiu de forma ainda pior, as vésperas da final da UCL para o mesmo Bayern. Não quero entrar no mérito das ações do clube bávaro em relação a contratação de adversários, o Bayern é um clube poderoso, hegemônico, com uma estrutura fantástica e é óbvio que seja alvo de grandes jogadores trabalhar lá, minha intensão é questionar o fato de Lewandowski deixar o Dortmund de graça e jogar no grande rival, isso me soa como uma traição tremenda ao torcedor que o apoio desde de que ele ganhou a vaga de Lucas Barrios, ainda no período do 1° título alemão.


Sabe-se que o Real Madrid havia oferecido um contrato de 81 milhões de euros, entre luvas e salários e etc, o Bayern chegou a oferecer 30 milhões pelo atacante polonês. E o clube não aceitou a proposta, havia uma clara queda de braço. Lewa queria um contrato novo, com um enorme aumento de salário, Borussia não queria vender o jogador para o mercado alemão, preferia que ele fosse para o Real Madrid. O seu empresário chegou a dizer que a proposta do Madrid era "indecente", ficando claro qual era pretensão do atacante polonês, ir para Munique.

Significado da palavra gratidão: A gratidão é o ato de reconhecimento de uma pessoa por alguém que lhe prestou um benefício, um auxílio, um favor etc.

Lendo essa definição, não vejo como Lewandowski possa pedir em sua página no Facebook para que os torcedores o apoie. Isso foi uma enorme facada nas costas do apaixonado torcedor prussiano. O atacante polonês firmou 5 anos de contrato com o poderoso Bayern, que começa a valer a partir de Junho de 2014. Como será a recepção dele quando o Bayern for a Dortmund? O certo que mais um que vai sair pelas portas do fundo, ao invés de ter deixado carinho e admiração, deixa o sentimento de ódio e revolta, o que teremos de camisas queimadas com o numero 9 será uma grandeza. Lembrando que ele ainda joga até junho no Borussia, será que Kloop ainda vai apostar nele como comandante de ataque, com o clima que está formado em torno dele?

Frases do empresário a cerca da proposta do Madrid:

"Houve uma oferta imoral do Real Madrid", disse Barthel ao Spiegel Online.


"Nós escutamos a oferta por respeito a um clube tão grande. Mas quebrar a nossa palavra nunca passou pela nossa mente", acrescentou ele.


Números de Lewandowski no Borussia Dortmund:


Em 3 anos foram: 139 jogos e 75 gols


Na Bundesliga foram 98 jogos e 54 gols

Frase de Lewandowski ao torcedor do Borussia:

"Querido fã do BVB, hoje eu gostaria de dedicar esse post a você! Juntos, temos a metade do ano à nossa frente. Durante este tempo, temos objetivos em comum que gostaria que possamos alcançar juntos. Gostaria de assegurar a todos vocês que eu farei o meu melhor. Conto com o seu apoio! Lewy".



Texto de Emanuel Mourão

Arsenal vence Villa e retoma liderança da Premier League

Giroud comemorando o segundo gol dos Gunners
foto: Fox Sports

Aston Villa x Arsenal marcou o encerramento da 21ª rodada do Campeonato Inglês.
O Arsenal tentando retomar a liderança, perdida no dia anterior para o Manchester City, e o Aston Villa tentando somar pontos para não se aproximar da zona do rebaixamento.

O jogo começou com o Arsenal tendo mais posse de bola, e forçando muito as jogadas pelo lado direito com o Sagna. As jogadas do Arsenal sempre passando pelos pés do Wilshere. Já o Aston Villa jogando com 3 zagueiros esperava mais o time londrino. Apesar de ter o domínio, o time de Wenger, não criava muitas chances. Só uma aos 4 minutos com o cruzamento de Sagna pela direita, onde encontrava grande espaço, e cabeçada do Giroud para fora.

Aos 19 minutos, após um choque com o próprio companheiro Barker é substituído por Bacuna. O Aston Villa mudava a sua formação tirando um dos três zagueiros e colocando mais um meia. Passou então a jogar no 4-4-2, com Bacuna pela direita, El Ahmadi e Westwood pelo centro e Delph pela esquerda. Com essa mudança o time parou de ceder tantos espaço às subidas do Sagna e o Arsenal não conseguia criar jogadas.

Porém, aos 21 minutos, Ozil enfia uma linda bola nas costas do lateral Lowton e Monreal cruza para Wilshere aparecer dentro da área pra finalizar no canto fazendo um belo gol. O detalhe desse gol é a movimentação do Wilshere. Ozil veio buscar a bola mais atrás e abriu espaço para algum companheiro. Assim o camisa 10 apareceu dentro da área para abrir o placar. Logo na saída após o gol, o Aston Villa perde a bola e Wilshere cruza para Giroud, dominar e tirar de dois defensores com a perna esquerda e chutar cruzado para aumentar a vantagem dos Gunners.

Na volta do intervalo o Aston Villa começou a pressionar um pouco mais a saída de bola do Arsenal, mas sem conseguiram muito êxito. Apenas com alguns chutes de fora da área, na qual não ofereceram grande perigo ao Szczesny.

Aos 75 minutos cruzamento da direita que passa por toda a zaga do Arsenal e com um peixinho Benteke diminui a vantagem. Placar que faria o Aston Villa ir pra cima na pressão para tentar o empate. Apesar do apoio da torcida e algumas cruzamentos na área o time da casa não conseguiu marcar e o jogo terminou mesmo em 2 x 1.

Resultado muito importante para o Arsenal, que retoma a liderança com 48 pontos, e que enfrenta o Fulham na próxima rodada, no Emirates Stadium. Já o Aston Villa fica na 11ª posição e sai para enfrentar o Liverpool pela 22ª rodada.

Escalações:
Aston Villa
Guzan, Lowton, Vlaar, Baker (Bacuna), Llark, Luna, Westwood, El Ahmadi, Delph, Benteke e Agbonlahor.

Arsenal 
Szczesny, Sagna, Mertesacker, Koscielny, Monreal (Gibbs), Flamini, Wilshere, Cazorla, Ozil, Gnaby (Rosicky) (Oxlade-Chamberlain) e Giroud.

Ouça os gols dessa partida com a narração de Rodrigo de Oliveira e comentários de André Vieira Coelho


Texto de Victor Lobo

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Manchester City massacra West Ham e encaminha vaga na final da Copa da Liga



A expectativa de goleada era grande. O Manchester City marcou 86 gols na temporada, antes do ínicio do jogo. Goleadas e mais goleadas. Os torcedores dos hammers tinham motivos de sobra para ficarem assustados.

E pra piorar tudo, o Manchester City não fez nenhuma força para conquistar essa goleada. Álvaro Negredo foi o principal destaque do jogo. Já nos primeiros minutos, o espanhol já mostrou apetite. Antes dos 10 minutos, saiu o primeiro gol. Laçamento espetacular de Yaya Toure e Negredo pegou de prima, sem deixar cair e fuzilou o goleiro Adrian, 1-0. 

O West Ham sentiu a primeira pancada e ficou atordoado. Os jogadores não mostravam nenhum tipo de reação. Já o City, sem fazer muita força, foi pra cima e ampliou o marcador. Mais uma fez com Negredo. Desta vez o garçom foi Dzeko, que fez a jogada fora da área e lançou em profundidade para o camisa nove, que ganhou da marcação, adiantou a bola e antes do zagueiro dar o bote, Negredo finalizou de carrinho e ampliou o placar, 2-0.

Se já estava ruim para o torcedor dos Hammers, piorou ainda mais quando Yaya Toure fez grande jogada individual, entrou na área, passou por um zagueiro e finalizou para ampliar o placar, 3-0. E o primeiro tempo terminou assim, com a vitória do City com um pé nas costas.

O segundo tempo foi ainda mais fácil para os Citizens. Sairam mais 2 gols antes do 30 da segunda etapa. Negredo, mais uma vez, aproveitou jogada de Dzeko e Silva e chapou bonito no contra pé do goleiro do West Ham, 4-0. Faltava alguém marcar gols, né? Sim, ele mesmo, Dzeko vinha tentando de todas as formas marcar um gol. Ele queria um, mas acabou fezendo 2. O primeiro foi tipico de um camisa 9. Após tabelamento, Clichy chegou a linha de fundo e cruzou no primeiro pau para o bosnio chegar de carrinho e fazer o quinto.


Já nos acréscimo veio o golpe final. E foi de Dzeko o gol que fechou o cotejo. Lopes, jovem que entrou no lugar de Negredo, tabelou com Kolarov que foi na linha de fundo, levantou a cabeça e lançou a Dzeko. O camisa 10 pegou de primeira e mandou no ângulo do guarda-redes do West Ham, final de jogo 6-0.

Se na outra semifinal, o Manchester United perdeu o jogo de ida para o Sunderland, o City já está na final da Copa Liga. O jogo de volta é apenas para cumprir o carnê, já que é praticemente impossível os hammers virar esse placar.

Ouça os gols dessa partida, na narração de Rodrigo de Oliveira e comentários de Emanuel Mourão



domingo, 5 de janeiro de 2014

Treinadores: O Brasil parou no tempo



Paramos no tempo, estamos vivendo de histórias. E de histórias antigas. O pior é que não vemos perspectivas de nos atualizarmos. Um F5 é preciso dar no futebol brasileiro.

Clubes, seleções, jogadores e principalmente técnicos, parecem viver nos anos 90. Década em que o resultado era mais importante que o espetáculo. Temos vários exemplos: A Seleção de 94, de Parreira. Apenas um talento, Romário, que trouxe a Copa do Mundo nas costas para o Brasil.

Nos dias de hoje, vemos que pouca coisa mudou. Os pensamentos de futebol dos anos 90 permanecem nas mentes de dirigentes e técnicos.

O principal problema aqui no Brasil é que não temos uma renovação nos professores. São sempre os mesmos, não há espaço para renovação. Ou melhor, não há uma grande vontade de se renovar no futebol.
É muito difícil para um grande clube investir em um novo nome para dirigir um time. Mais fácil é colocar um técnico de caixa, experiente. Isso tira qualquer tipo de responsabilidades dos dirigentes. 

Por isso e por vários outros motivos, sempre temos os mesmos nomes no mercado. Não vamos longe para pegar um bom exemplo. Na Argentina, tem uma safra uma boa de técnicos da nova geração. Apesar dos dois Gigantes do país preferirem técnicos que fizeram história no passado, outros clubes resolveram inovar e dar oportunidades aos novo técnicos.

Ricardo Gareca, do Vélez é um ótimo exemplo. Faz trabalhos fantasticos no Fortin. Todos sabem que a Argentina não tem como concorrer com o mercado brasileiro, que hoje paga a mesma coisa que na Europa. Sempre revelando jogadores das categorias de base. Entra ano sai ano e o time do Vélez sempre joga da mesma maneira, isto porque a filosofia de jogo de Gareca, chegou na base do Fortín.
As vezes a gente vê que falta um pouco de experiencia, um pouco de caixa ao time, mas isso só se conquista, jogando, calejando. 

Tatá Martino, fez um trabalho sensacional na Seleção Paraguaia. Levou a Seleção ao seu melhor resultado na história das Copas do Mundo. Mudou a mentalidade do futebol paraguaio. Hoje no Newell's Old Boys é um dos semi-finalistas da Copa Libertadores da América, é líder do Torneo Final do Campeonato Argentino e é o time que mais bola joga na Argentina. Já anunciou que no final da temporada, vai para Europa.

Guillermo Barros Schelotto, ex-atacante do Boca Juniors é atualmente técnico do Lanús, que seguidamente faz boas campanhas na primeira divisão do Campeonato Argentino.

Luís Zubeldia, o técnico mais jovem da primeira divisão da Argentina. Atualmente é DT do Racing, um clube revelador. É conhecido com La Academia, onde se jogava o futebol vistoso, de grande técnica. 

Martín Palermo, maior artilheiro da história do Boca Juniors. Parou de jogar em 2011 e ano passado assumiu o comando do Godoy Cruz. Como ainda está começando é difícil fazer uma analise mais minuciosa sobre o trabalho de Palermo.

Gustavo Alfaro, técnico do Arsenal de Sarandí. Time de pouca torcida, pouca tradição, mas que nos últimos anos vem fazendo boas campanhas na Argentina, inclusive ganhou o Clausura de 2012.

Antonio El Turco Mohamed, técnico que estava no Tijuana neste ano. Foi campeão do Apertura Mexicano com o time do Xolos pela primeira vez na história. Participou do último lampejo de Rey de Copas do Independiente, conquistando a Copa Sul-Americana de 2010. Em um time limitadíssimo, derrotou o Goiás naquela decisão.

São vários nomes de jovem treinadores que surgem na Argentina. Aqui no Brasil são sempre os mesmos nomes. Vanderlei Luxemburgo, Luis Felipe Scolari, Mano Menezes, Joel Santana, Paulo Autuori, Antonio Lopes, Muricy Ramalho, Emerson Leão e Abel Braga. Esses são os técnicos que circulam pelos grandes clubes. 

A nova geração não deslancha por conta desses nomes, por conta desses técnicos ultrapassados. Quem vivem com o curriculo do passado. A muito tempo, vários deles não dão resultado, mas sempre estão no mercado.

Técnicos da nova geração, ainda não conseguiram conquistar um grande título. Porque, muitos deles não tem continuidade em grandes clubes. Fazem ótimos trabalhos em clubes medianos, mas quando chegam nos clubes grandes, não conseguem dar resultado a curto prazo. 

Aos poucos parece que o Brasil está caindo na real e tentando recuperar o tempo perdido. Ricardo Drubscky, Marquinhos Santos, Caio Jr, Jorginho, Dunga e Marcelo Oliveira. Esses são os nomes da nova geração de técnicos que está surgindo no Brasil.

Espero que eles consigam der bons resultados e principalmente, continuidade nos seus trabalhos, até pra dar uma renovada no cartel de técnicos do Brasil.

Até para que num futuro, o Brasil possa exportar também treinadores, não apenas jogadores. Mais uma vez, pegando a Argentina como exemplo, temos bons técnicos no mercado europeu. Diego Simeone, que faz um trabalho sensacional no Atlético de Madrid, Mauricio Pocchetino, que treina o Southampton. E o mais famoso deles, mas já não tão novo assim, o Marcelo Bielsa, a pai dessa nova geração Argentina.

Será que algum dia ainda veremos algum técnico brasileiro treinando algum grande clube europeu?

Fica a pergunta... 

No confronto direto, Juventus vence Roma e abre na ponta da Série A

    
     Os olhos da Itália estavam focados no Juventus Stadium. O encontro de líder e vice-líder marcava a volta da Série A TIM, após rescesso das festas de final de ano. Para o time da capital, era a chance de encostar e diminuir a vantagem de 5 pontos que a Juventus abriu na ponta. 

       O time de Rudi Garcia começou muito bem o jogo. Com seu ousado 4-3-3 obrigou a Juventus recuar um pouco mais no começo do jogo para equilibrar as coisas. O 4-3-3 contra o 3-5-2 deixava exposta a defesa bianconeri em vários momentos do jogo. 

        Conti percebeu e fez uma linha de 5, com isso a Juve passou a jogar no 5-3-2. A posse de bola no começo ficou com a Roma. A Juventus se formatou para jogar no contragolpe. Alguns chutes perigosos, por parte da Roma marcaram os primeiros 15 minutos. Buffon apareceu em dois deles. Numa finalização de Pjanic e na outra de Maicon, o capitão da Vecchia Segnora se saiu bem e evitou o gol.


      Sem achar espaços na defesa da Roma, a Juventus precisou ser criativa. A inteligência de seus jogadores acabou sendo primordial para abrir o placar. De um lateral acabou saindo o gol do time da casa. Aproveitando segundos de desatenção do time da capital, Lichsteiner cobrou rápido o lateral e deixou a bola para Tévez. O camisa 10 balançou na frente da marcação e deu passe maravilhoso para Vidal, que esperou De Sanctis cair e deu um tapa no canto do goleiro giallorrosi, 1-0. Tévez chegou a sua quinta assistência na Série A Tim, do Campeonato Italiano. 

      A Roma ficou sem reação durante uns sete minutos, tetando entender o que se passava no Juventus Stadium, já que o jogo parecia estar sob controle e o time de Garcia jogava bem. As movimentações de Strootman e Pjanic obrigaram a Pirlo e Vidal se preocuparem muito com a marcação, mas todo esse controle da Roma era falso, já que as grandes chances não eram criadas. A primeira etapa terminou com a vitória da Juventus por 1-0.

      Pro segundo tempo o time de Conte voltou com uma postura diferente. Mais presente no campo de ataque, a Velha Senhora não apenas assistiu a Roma jogar, como atacou e assustou os giallorrosi. Na bola parada,a Juve criava suas oportunidade. Foi através de uma que saiu o segundo gol. Falta pela esquerda, Pirlo levantou na área e Bonucci, com muita malemolência confundiu Dodô e apareceu livre pra de carrinho marcar o segundo, 2-0. 

     A Roma se descontrolou na partida. Chegadas mais fortes acabaram marcando o segundo tempo. Daniele De Rossi se mostrou o mais nervoso. Já na parte final do jogo, o vice-capitão da Roma deu uma entrada criminosa em Chiellini, seu companheiro de Seleção Italiana e foi expulso por Nicola Rizzoli. Na cobrança de falta, Barzagli cabeceou por cobertura a bola ia entrar e Leandro Castán meteu a mão na bola. Pênalti e expulsão. Vucinic, que entrara minutos antes no lugar de Tévez que saiu machucado, converteu o penal e fechou o caixão da Roma, 3-0. 


   Ainda teve tempo de Ljajic dar uma entrada forte em Pogba, mas Rizzoli apenas aplicou o amarelo no camisa 8 da Roma. 
Com a vitória, a Juventus abre 8 pontos na liderança da Série A Tim e caminha transquila para conquistar o tri em sequência do Italiano.

Ouça os gols da partida, com a narração de Rodrigo de Oliveira e comentários de Emanuel Mourão.

FUTEBOL REFLEXIVO: Vexame + Vexame



O que resta de mais emocionante no campeonato brasileiro, é a briga pelo rebaixamento. Por envolver gigantes nessa situação difícil, ele se torna ainda mais interessante. Mas a motivação desse post é fazer uma pequena comparação entre os piores rebaixados da história de três grandes campeonatos. Inglês, Brasileiro e Italiano. No caso do Brasileirão, ainda há uma chance de um recorde se igualar, ser o pior entre os lanternas da história dos pontos corridos, que tem apenas 10 anos de vida. Náutico "luta" pra não ser o América-RN da nova década.

Começando pelo Bari, clube da linda região da Puglia, calcanhar da bota, nunca fez nada de muito expressivo na competição da 1º divisão. Foi rebaixado da última vez que jogou a Serie A com um aproveitamento horrível, 21% dos pontos disputados. 5 vitórias, 9 empates e 24 derrotas. Sofreu 56 gols e fez 27. Mas no quesito vexame, o Cesena é imbatível em 2012/13, a campanha foi ainda mais vexatória, um aproveitamento bizarro de 19%, o clube do nordeste da Itália, conseguiu apenas 4 vitórias, 10 empates e 24 derrotas. Tomou 60 gols, pior defesa da história recente da Serie A, e fez 24 gols. 



Já no brasileirão, temos até o momento, o América-RN como o time mais frágil que já disputou a era mais recente dos campeonatos de pontos corridos. A sua desastrosa campanha, está em 2° nesse ranking que fiz dos times pífios, por ter feito uma campanha sem precedentes na história do Brasil. Em 2007, o tradicional clube nordestino e grande representante do RN, nos atuais edições de campeonatos da 1º divisão, terminou aquela competição com 17 pts, 4 vitórias, 5 empates e 29 derrotas. SOFREU 80 gols e fez 24. Pior defesa da história do campeonato brasileiro nesse novo formato. O aproveitamento de pontos foi o péssimo numero de 14,9%. Só para ter uma noção, o 1° dentro do Z4 na ocasião, o Corinthians foi rebaixado com 44 pts, 27 pts a mais. O Náutico nessa temporada vai caminhando em direção a essa péssima marca. Estamos na 36º rodada, e até agora o clube anotou os mesmos 17 pts, com as mesmas 4 vitórias, 5 empates e 27 derrotas. Sofreu o 77 gols e só fez 21, ou seja, tudo caminha para que a campanha seja idêntica ou até pior. O aproveitamento está em 15%. Eu não duvidaria do Náutico como o pior de todos, seus 2 próximos jogos são o ameaçadíssimo Vasco (ai Jesus!) e "água de salsicha" Corinthians.


Entre esses grandes campeonatos, sem dúvida, ninguém foi tão pífio quanto o outrora vencedor Derby County. Time que conseguiu um acesso na difícil championship, me dou o luxo de dizer que é um dos campeonatos mais difíceis que se tem por ai, pelo nível de competitividade e outras coisas mais que cercam esse torneio da 2º divisão inglesa. O Derby County conseguiu a proeza de em 38 rodadas, somar apenas 11 pts, com a impressionante 1 vitória, 8 empates e 29 derrotas. Sofreu 89 gols e só fez 20. Disparado o pior time da história da Premier League com impressionante 9 % de aproveitamento.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Pré-Jogo Juventus x Roma



Neste domingo teremos a volta da Série A TIM, o Campeonato Italiano. E pra marcar a volta do futebol na primeira divisão na bota, teremos o encontro entre líder e vice-líder. No Juventus Stadium, a Juventus recebe a Roma. O time da capital, que iniciou a temporada quebrando recordes, mas depois da sequência de jogos, acabou perdendo a liderança. 

Pelos lados bianconeri, a decepção pela eliminação na Champions ainda é visível, já que os investimentos para fazer um time mais  forte, foram feitos. Dentro de campo, o time fez uma das piores campanhas na sua história na maior competição de clubes do Mundo. Ainda sem alternativas para enfrentar times mais fortes, a base bi-campeã está sendo suficiente para conquistar pontos no Campeonato Italiano. A insatisfação do torcedor segue sendo a falta de alternativas que o time apresenta. Conte aprimorou o 3-5-2 que virou referencia no campeonato italiano. Vários outros times adotaram esse mesmo esquema. Como esse esquema já está manjado, a Juventus se atrapalha quando seus adversários bloqueiam suas principais armas de ataque, Pirlo e Vidal. O time fica engessado e não consegue jogar bem. 

Por outro lado, a Roma fez 10 jogos, com 10 vitórias seguidas. Jogava bem e isso fazia o time chegar mais perto da vitória. Além disso, contava com a grande fase de seu capitão, Francesco Totti. Antes de se machucar, o camisa 10 giallorrosi era líder em assistências nas principais ligas da Europa. Mas como essa sequência de vitórias era muito difícil de manter, a Roma teve uma queda no seu desempenho, o que era esperado pela nova metodologia que está sendo imposta ao time. 

NEWS
Juventus
Pirlo voltou após a pausa das festas do fim de ano, treinou e está a disposição de Antonio Conte.
Tevez teve problemas particulares e poderia perder a partida, mas chegou na última quarta-feira a Turim e já treinou com o time.
Andrea Barzagli sentiu uma lesão e não deve se recuperar a tempo. O zagueiro da seleção italiana fará um teste no vestiário para ver se tem condições de jogo. Se não puder jogar, Martin Caceres será o escolhido por Conte.
Com a liberação de Pirlo, Marchisio deve ir para o banco de reserva. Com a ausencia do maestro da Juve, Marchisio vinha sendo o titular.

Roma
Kevin Strootman e Daniele De Rossi cumpriram suspensão na partida contra o Catania (vitória de 4-0) estarão aptos para jogar, com isso Rudi Garcia terá seu meio campo titular. 
Michael Bradley, que vinha jogando no time titular, voltará ao banco de reservas. É dito pelos lados de Roma que o norte-americano poderia deixar a Roma em busca de mais minutos em campo. 
Matia Destro vem convencendo no ataque da Roma. Tanto que mais uma vez começará com titular. Florenzi e Ljajic ficarão a disposição.

CAMPANHAS
REquipeJVEDGMGCSGPtsForma
1Juventus17151139112846V V V V V V
2Roma1712503572841E E E V V

    Como mandante
    REquipeJVEDGMGCSGPtsForma
    1Juventus8800234+1924V V V V V
    3Roma9720202+1823V V E E V V

      Como visitante
      REquipeJVEDGMGCSGPtsForma
      1Juventus9711167922V D V V V V
      2Roma8530155+1018V V V E E E

        Fatos do confronto
        • Juventus venceu seu últimos 9 novos jogos de Série A.
        • Roma está a 19 partidas invicta na Série A.
        • Juventus não sofre gols a 5 partidas em casa de Campeonato Italiano
        • Nos últimos 3 jogos contra a Roma em casa, a Juventus marcou pelo menos 3 gols.
        • Juventus marcou pelo menos 2 gols em 7 dos últimos 8 jogos em casa na Série A.
        • Nos últimos três jogos em todas as competições diante da Roma em casa, a Juventus tem uma média de 2,5 gols
        • Roma marcou em seus últimos três jogos de Série A, pelo mais de 2,5 gols p/ jogo.
        Estatisticas dos jogadores
        Juventus
        GOLS
        1. C. Tévez 11
        2. A. Vidal 7
        3. F. Llorente 5
        Assistências
        1. C. Tévez 4
        2. A. Vidal 4
        3. F. Llorente 3 

        ROMA
        Gols
        1. Gervinho 4
        2. M. Benatia 4
        3. K. Strootman 4
        Assistências
        1. F. Totti 6
        2. K. Strootman 6
        3. M. Pjanic 4
                  
        Confronto direto

        JogosJuventusEmpatesRoma
        Total17081 (48%)48 (28%)41 (24%)
        Campeonato Italiano16679 (48%)48 (29%)39 (23%)
        Coppa Italia42 (50%)0 (0%)2 (50%)
        Juventus em casaJogosJuventusEmpatesRoma
        Total8654 (63%)21 (24%)11 (13%)
        Campeonato Italiano8353 (64%)21 (25%)9 (11%)
        Coppa Italia31 (33%)0 (0%)2 (67%)
        Roma em casaJogosJuventusEmpatesRoma
        Total8427 (32%)27 (32%)30 (36%)
        Campeonato Italiano8326 (31%)27 (33%)30 (36%)
        Coppa Italia11 (100%)0 (0%)0 (0%)

        : Recordes na Competição

        ItemCompetiçãoCasaFora
        Juventus: Maior vitória em casaCampeonato Italiano 1931/32Juventus7-1Roma
         Campeonato Italiano 1925/26Juventus7-1Roma
        Juventus: Maior vitória foraCampeonato Italiano 1925/26Roma0-5Juventus
        Roma: Maior vitória em casaCampeonato Italiano 1930/31Roma5-0Juventus
        Roma: Maior vitória foraLega Sud 1923/1924Juventus2-6Roma
        Resultado Típico: Juventus-Roma(10 Jogos)Juventus1-1Roma
        Resultado Típico: Roma-Juventus(14 Jogos)Roma1-1Juventus

        Curiosidades: Juventus (Todos os Jogos) vs Roma

        170 Jogos, 81V 48E 41D (SG: 274-185)
        Média de gols marcados: 1,61/J   Média de Gols Sofridos: 1,09/J
        Última Derrota: 2013-02-16 vs Roma 1-0
        Última Vitória: 2012-09-29 vs Roma 4-1 (desde então: 1D 0E)
        Juventus marcou gols em 129 jogos
        Juventus sofreu gols em 112 jogos
        Perdeu apenas 1 dos últimos 6 Jogos
        Melhor série de vitórias: 7 Jogos (entre 1932/03/06 vs Roma 7-1 e 1935/05/13 vs Roma 2-1)
        Melhor série sem perder: 12 Jogos (entre 1968/04/03 vs Roma 0-0 e 1974/01/13 vs Roma 2-1)
        Pior série de derrotas: 2 Jogos (entre 1995/05/28 vs Roma 3-0 e 1995/12/23 vs Roma 0-2)
        Pior série sem vencer: 7 Jogos (entre 1937/03/14 vs Roma 3-1 e 1940/01/28 vs Roma 3-1)

        : Todos os Jogos

        DataLigaFaseCasa ForaEdição 
        2013-02-16ItáliaSAR25Roma1-0Juventus Campeonato Italiano 2012/13
        2012-09-29ItáliaSAR6Juventus4-1Roma Campeonato Italiano 2012/13
        2012-04-22ItáliaSAR34Juventus4-0Roma Campeonato Italiano 2011/12
        2012-01-24ItáliaTIQFJuventus3-0Roma Coppa Italia 2011/12
        2011-12-12ItáliaSAR15Roma1-1Juventus Campeonato Italiano 2011/12

        Ouça a transmissão da Rádio Football Total neste domingo com a narração de Rodrigo de Oliveira e comentários de Emanuel Mourão.


        Estatistiscas 
        Fonte: whoscored.com
        Histórico de Confrontos
        Fonte: ogol.com.br